Parto humanizado… o que é isso, afinal?

É de suma importância deixar claro que o termo “parto humanizado” não pode ser entendido como um “tipo de parto”, cheapest citando o exemplo clássico: parto em casa dentro da banheira. Não são tais detalhes externos que o definem, como além do uso da água, posição, luz, músicas, etc. A Humanização do parto é um processo e não um produto que nos é entregue pronto.” (Eleonora de Moraes)

O parto humanizado diz principalmente em relação ao protagonismo da mulher e de seu bebê, onde o direito de informação e escolha dessa mulher foi preservado, e suas decisões são respeitadas pelos profissionais que a acompanham. Tais profissionais não aconselham, não mandam, não proíbem, eles simplesmente mostram todas as opções (baseadas sempre em evidências científicas) para que ela possa tomar a melhor decisão.

Os partos humanizados acontecem da forma mais natural possível, e as intervenções só são utilizadas quando seus riscos forem menores do que os riscos de não utiliza-las, e não se limita apenas ao momento do nascimento do bebê, mas sim a todo processo da gestação, do nascimento e do pós-parto.

Parto Humanizado

Gestante com pintura corporal.

Quem pode ter um parto humanizado?

Teoricamente, qualquer mulher que assim desejar. Porém, na situação obstétrica brasileira, a gestante terá que correr atrás de muita informação e trabalhar no seu empoderamento, além –é claro- de contar com uma equipe que a apoie nessa decisão.

Mas em alguns casos, mesmo com todo o esforço da mulher em busca deste objetivo, o parto pode acabar não acontecendo da maneira planejada, por diversos motivos. No entanto, nada impede que o atendimento seja humanizado, mesmo não sendo o idealizado.

Como conseguir um parto humanizado?

Primeiramente: informação. Sites, blogs, livros, documentários, filmes, rodas de gestantes e onde mais encontrar material sobre o assunto.

Porém, toda essa informação será em vão se não estiver acompanhada de uma equipe humanizada. Procure por obstetras que estejam na causa da humanização, pesquise as taxas de cesáreas e partos normais de tais médicos e vá atrás de relatos de parto de mulheres que foram acompanhadas por eles.

Além do obstetra, a equipe pode ser composta por enfermeiras obstétricas, doulas, neonatologistas. Procure tais profissionais na sua cidade.

É essencial também, além de se preparar fisicamente (yoga para gestantes, pilates, fisioterapia ou qualquer atividade física que lhe dê prazer), se preparar psicologicamente e emocionalmente.

 E acredite: seu corpo é sábio!

Quer continuar esse papo em uma roda de conversa com diversos profissionais? Entre em contato para saber quando será o próximo encontro.

Mediadores da roda de conversa

Carolina Topala (enfermeira obstetra), Carolina Poliquese (enfermeira obstetra), Amanda Nunes (doula), Nitiananda Fuganti (doula), Renata Santos (doula), Rosiane de Freitas (coordenadora do projeto Nascer bem).

Gostou deste artigo? Não esqueça de compartilhar e comentar abaixo, com suas dúvidas, sugestões e experiências. E continue lendo nosso blog para descobrir muita coisa boa sobre a arte de ser mãe.

Assuntos Relacionados

2 Comments

  1. Paola
    7 de dezembro de 2015 at 20:48 - Reply

    Olá! ! Recebi e leio várias informações sobre parto humanizado. Mesmo com todas as informações quero fazer uma cesariana. Mas sem programar a data Pois gostaria de entrar em trabalho de parto.É uma opção pessoal.então minha pergunta é : É possível ter um parto humanizado em una cesariana?

    • Maternarum
      4 de janeiro de 2016 at 19:50 - Reply

      Olá Paola!
      O parto humanizado, seja ele cesárea ou normal, incide sempre, no carinho e respeito pela mãe, suas escolhas e de seus acompanhantes. “Na cesárea humanizada, o ideal é que o procedimento chegue o mais perto possível do conceito de um parto normal. O corte costuma ser do mesmo diâmetro de uma dilatação vaginal (aproximadamente 10 centímetros) e o bebê é retirado bem devagar, sem que o corte do cordão umbilical seja imediato. Após isso, o bebê pode ir direto para o colo da mãe e começar a mamar, para que a separação dos dois não seja tão rápida e os primeiros cuidados sejam feito ali mesmo, ao lado da mãe, enquanto a equipe termina o procedimento.” (minhavida.com) ele deve permitir que o pai ou acompanhente escolhido, possa estar presente no momento do nascimento. <3

Leave A Comment